Lisinha, cheirosa, macia e saudável. É assim que fica a pele do bebê toda vez que é hidratada. A hidratação é um hábito que deve fazer parte da rotina dos responsáveis e que ajuda a combater o ressecamento provocado por pré-disposições genéticas ou por fatores externos, como frio e calor.

Diferente dos adultos, bebês têm pele fina e sensível. Por isso, de acordo com o pediatra Mário Novais, diretor do Hospital Daniel Lipp, do Rio de Janeiro, todo cuidado é pouco. “A hidratação deve ser feita uma vez, após o banho, que não deve durar mais que 15 minutos. A exceção é quando a pele se mostra muito ressecada. Nesse caso, o hidratante pode ser usado duas vezes ao dia”, explica.

O produto pode ser aplicado em todo o corpo, para evitar possíveis problemas, como as assaduras. Porém alguns pontos merecem atenção especial, principalmente as áreas cobertas pela fralda. Isso porque, quando a troca demora para acontecer, há o acúmulo de impurezas, o que pode irritar a pele dos pequenos. “A limpeza dessas partes deve ser feita apenas com água ou com lenço umedecido (evitando esfregar) e, logo depois, aplica-se um hidratante, que vai criar uma camada protetora da pele”, explica o especialista.

Não há uma idade mínima para passar o produto nas crianças. Entretanto, quando mais cedo a pele for hidratada, masi ela estará protegida.

Vale lembrar que os cremes para adultos só devem ser usados quando a criança completar três anos, que é quando sua pele estará totalmente formada. Existem hidratantes próprios para o público infantil (inclusive específicos para o rosto), e o mais apropriado deve ser aquele que seu pediatra recomendar. Por isso, antes de qualquer atitude, não deixe de consultá-lo. Assim, você garante a proteção adequada e aquele cheirinho gostoso ao seu bebê.

Fonte: Revista Droga Raia / abril 2016, pág. 46

2020 © Copyright - Hospital Daniel Lipp