Água parada e mosquito não preocupam mais apenas por causa da dengue ou da malária. Novas doenças (com nomes engraçados) chegaram ao Brasil – mas, piadas à parte, trazendo transtornos à população. Para reconhecer a importância da prevenção, evitando o surgimento de criadouros, vamos conhecer um pouco mais sobre a dengue, a malária, a chikungunya e a zika.

Dengue
Talvez a mais conhecida, a dengue é uma doença febril aguda, com diferentes apresentações clínicas e prognóstico imprevisível. Depois do período de incubação, que vai de quatro a 10 dias entre a picada do mosquito infectado e a manifestação dos sintomas, a doença começa com sinais e sintomas inespecíficos como uma síndrome gripal.

Os principais sintomas da dengue são: febre elevada, dores de cabeça e nos olhos, além de mialgia e artralgia. Entre o terceiro e o sexto dia após o início dos sintomas ocorrem as manifestações clínicas (sinais de alerta) devido ao aumento da permeabilidade vascular e da perda de plasma, que podem levar ao choque irreversível e morte.

Os sinais de alerta são: dor abdominal intensa e contínua; vômitos persistentes; hipotensão postural e/ou lipotímia (tonturas, desmaios); hepatomegalia dolorosa (aumento de tamanho do fígado); sangramento na gengiva e no nariz ou hemorragias importantes (vômitos com sangue e/ou fezes com sangue); sonolência e/ou irritabilidade; diminuição da diurese; e desconforto respiratório.

Existem quatro tipos diferentes de vírus, e para estar totalmente imunizado é necessário ter tido contato com todos eles. Caso contrário, a cada contágio com um novo tipo de vírus, os sintomas são mais intensos e o risco de desenvolver a dengue grave é mais alto.

Não existe vacina disponível para comercialização e os cuidados terapêuticos consistem em tratar os sintomas com analgésicos, antitérmicos, além da hidratação rigorosa. Nos casos mais graves é necessária a hidratação por via intravenosa.

Malária
A malária é uma doença infecciosa febril causada por espécies de protozoários do gênero Plasmodium, de grave evolução clínica em grupos específicos. É transmitida de pessoa para pessoa através da picada da fêmea do mosquito Anopheles infectado que geralmente tem hábito crepuscular. Uma vez na corrente sanguínea a infecção viaja até o fígado, onde se multiplica e entra nas células vermelhas do sangue.

A malária começa como a gripe, geralmente com os primeiros sintomas inespecíficos surgindo entre nove e 14 dias após a infecção. Os sintomas incluem febre (podem ocorrer ciclos típicos de febre, calafrios e sudorese), artralgias, dores de cabeça, vômitos frequentes, convulsões e até coma. Se a malária simples não é tratada, ela pode se tornar grave.

O diagnóstico específico da malária é feito por meio da observação do parasita através de um microscópio em uma amostra de sangue. O tratamento mais eficiente para malária é uma terapia combinada à base de artemisinina. A terapia tem baixo nível de toxicidade, agindo rapidamente contra o parasita.

Febre Chikungunya
A chamada Febre Chikungunya está, cada vez mais, se espalhando em vários estados do Brasil. Sua transmissão é idêntica ao dengue, pois depende do mesmo mosquito Aedes aegypti. Ao contrário da dengue, a doença é menos letal, contudo apresenta sintomas mais dolorosos. É por isso que a palavra Chikungunya significa “o que se dobra”, fazendo alusão às fortes dores articulares.

Entre quatro e oito dias após a picada do mosquito infectado, o paciente apresenta febre repentina acompanhada de dores nas articulações. Outros sintomas, como dores de cabeça e muscular, náusea e manchas avermelhadas na pele, fazem com que o quadro seja parecido com o da dengue. A principal diferença é a intensa dor articular e o tratamento mais eficaz é o repouso. Em média, os sintomas duram entre 10 e 15 dias, desaparecendo em seguida. Em alguns casos, porém, as dores articulares podem permanecer por meses e até anos.

Zika
A Zika é uma doença infecciosa causada pelo vírus Zika da família Flaviviridae. A transmissão é através da picada de mosquitos do gênero Aedes.

Os sintomas são similares aos da dengue, porém mais brandos, com duração entre 4 a 7 dias. Manifestações hemorrágicas já foram documentadas, mas os sinais mais comuns incluem febre, artralgias, cefaléia, exantema maculopapular, que inicia-se na face e no tronco e dissemina para o restante do corpo e conjuntivite.

O diagnóstico pode ser realizado por biologia molecular ou por sorologia e o tratamento é sintomático.

Fonte: Dra. Anna Caryna Cabral, infectologista

2020 © Copyright - Hospital Daniel Lipp